quarta-feira, novembro 15, 2006

Compartimentos de Sentimentos


"Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia". (Nietzsche)

Muitas vezes me perguntei porque me sinto só, mesmo nas vezes em que estive cercada de tanta gente.. e tanta gente boa, legal, amiga...em fim.. pessoas q eu amo....mas ao ter tal sentimento de falta, de solidão oculta, de vazio, percebi que cada pessoa tem seu lugar específico dentro de nós, sim, cada uma.. mas em compartimentos diferenciados, lugares distintos e com importâncias diferentes, nem maiores, nem menos.. diferentes!
Seguindo tal linha de raciocínio, creio que quando sentimos tal vazio significa que existe um lugar específico que ainda não foi preenchido e se algum dia o foi, já não mais está, alguém ocupou e saiu desse lugar e passou a ocupar outro.. em outras palavras.. o lugar que estou querendo dizer é o lugar do amor.. sim aquele amor que nos completa, nos preenche e manda embora qualquer sentimento de vazio e solidão...
Nietzche quando escreveu tal pensamento estava sentindo exatamente esse vazio.. o qual, só poderá ser preenchido por quem verdadeiramente nos oferecer companhia, ou com outras palavras nos corresponder a tal nescessidade de amor e assim, ambos poderão se preencher, gerando assim satisfação mútua.
Admitamos ou não, sensíveis a tal sensação ou não, a mesma existe e que tal auto conciência sirva ao menos para nos fortalecer, sim.. pois quando admitimos, reconhecemos e identificamos os sentimentos que temos, aí é que podemos trabalhar pra que tal sentimento tenha seu lugar, seu compartimento próprio.. assim, sem pressa, nem grande demais nem desprezado demais.. no tamanho certo.... seja pra encontrar tal pessoa que preencha ou pra esperar... assim, sem correr, sem sofrer, sem temer... com a atenção nescessária para a importancia de todos sentimentos!

Um comentário:

Anônimo disse...

belo texto... e pensar que foi escrito no dia do meu aniversário, posso admití-lo como um verdadeiro presente.
o "lugar específico" dentro de nós, ou os "compartimentos diferenciados" para os quais deveriam afluir nossos sentimentos, talvez não existam. essa falta que temos de compartilhar o amor, em companhia (ou não) de alguém, é o que há de mais humano - o que existe de mais belo no ser humano: sua necessidade de integração com os outros seres. o ser humano não está só. ele sente a necessidade de interação, de partilha, de dar e receber - é sua natureza. assim veio ao mundo e assim será, em ciclos na eterna existência. o ciclo da vida é uma espiral sem fim, e todos os seres participam desse vir a ser. mas o desejo de estar "com" é uma necessidade ou apenas uma opção, uma opção de estar com? existe a satisfação? ora, o desejo não o permite. o desejo dá à luz mais desejo; logo, não há satisfação. desejo gera apego. apego gera insatisfação constante. para nos integrarmos verdadeiramente ao universo, e nos sentirmos "preenchidos", o único meio é vencer o desejo e, assim, eliminar o sofrimento. porque o verdadeiro amor, que nos faz integrados, conosco e com o universo, este não é um prêmio que vem com o desejo, mas pura e simplesmente, com o deixar estar e deixar ir, livremente; certo de que a vida é apenas uma passagem e que, por isto mesmo, não pode ser vivida em termos de medidas - compartimentos, lugares específicos -, mas tão somente em todo lugar e com todos os seres, a começar de si mesmo.
esta resposta não pretende ser determinista nem definitiva, apenas um ponto de vista.
um forte abraço, Ariane!