terça-feira, dezembro 23, 2008

O Sentido do Natal


Conforme o calendário Cristão á 2009 anos atrás nascia na cidade de Nazaré um menino especial... sim, claro, estou falando do homem mais maravilhoso e conhecido em todo o mundo - Jesus Cristo! Jesus (8-4? a.C.29-36? d.C.) é a figura central do cristianismo. Para a maioria dos cristãos ele é o Filhos de Deus enviado à Terra para salvar a humanidade conforme o plano de redenção traçado e profetizado desde a queda do homem no pecado do Jardim do Édem. Embora tenha pregado apenas em regiões próximas de onde nasceu, a província romana da Judéia, sua influência difundiu-se enormemente ao longo dos séculos após a sua morte. Ele pode ser considerado como uma das figuras centrais da cultura ocidental, e existem inúmeros pontos de vista acerca de sua trajetória de vida, desde religiosos até métodos históricos, vários nomes, diferentes interpretações... Mas o fato é que até hoje não há provas científicas nem concretas sobre sua existência e nem de sua inexistência mas há muitos e muitos indícios que provam sim, que houve uma revolução social no local e data da época de sua passagem na terra e até hoje sentimos sua influência na cultura e tradições que vivemos.
Independente do fato dos homens só acreditarem naquilo que conseguem provar através do microscópio e da ciência, o fato é que o "espírito de Natal" é uma das crenças e sentimentos que não são provados no laboratório, mas é sentido por todos, de uma forma ou de outra. É claro que há um apelo comercial enorme e é de datas assim que o comercio vive e o capitalismo sobrevive, mesmo em tempos de crise, mas e os sentimentos, e aquela sensação que não conseguimos explicar, não só no Natal, mas em situações singulares que cada ser humano tem o privilégio de sentir e ficar embasbacado, sem fala e nem explicação lógica, onde fica? Não precisa levantar as mãos publicamente quem já sentiu algo inesplicável, mas você e eu sabemos que cada um de nós já sentimos isso sim, seja em um momento de extrema alegria ou em um de extrema dor onde não se consegue achar uma saída lógica...
Estou abordando este fato do sentimento e abstração porque nesta época natalina é comum nos sentirmos envolvidos por sentimentos de amor, compaixão, necessidade de união familiar... mas nos esquecemos do verdadeiro sentido do Natal, que deveria ser o nascimento de Jesus, nosso salvador.
Claro que a história do Natal que comemoramos hoje é outra, é baseada em um dia de comemoração de um santo católico chamado "São Nicolau" que ajudava financeiramente os necessitados colocando moedas em meias pinduradas nas janelas nas épocas de inverno, que é a figura do Papai Noel, muito mais lembrado nas decorações de Natal.
E conforme indícios históricos o nascimento de Jesus não aconteceu em Dezembro e sim provavelmente em Abril, caso contrário Maria não teria aguentado o rigoroso inverno em sua peregrinação rumo à Nazaré.
Tirando todos os dados e incoerências histórias, sendo a data correta do nascimento de Cristo ou não, o fato é que devemos lembra-la sim, não somente como uma data onde se constroem árvores adornadas, Papais Noéis espalhados pelos shoppings e distribuição de presentes... Devemos nos lembrar que existe um Deus que está no controle da história, um Deus que enviou seu filho para cumprir um plano de salvação e este Filho veio e cumpriu sua missão, a de nos salvar, mas sua principal missão continua até hoje que é nos amar e é deste amor que devemos nos lembrar e comemorar a cada ano. Apesar das tragédias, desilusões e sofrimentos que nos fazem perder de foco o amor de Deus ele sempre está alí, em cada dia do ano, do nosso lado, observando cada decisão e esperando nosso pedido de socorro pra poder agir... Sim, também está alí, do nosso lado, nos momentos de comemorações, onde raramente esquecemos de agradecer, mas felicidade já é um sinal de gratidão a Deus...
Em fim, em um mundo cada vez mais individualista, capitalista e egoísta, existe sim um motivo para existir o Natal e não é só pra render dinheiro, mas é principalmente pra unir as famílias e quem sabe, vagamente, escondido no meio de árvores e pacotes coloridos existir um presépio que nos remeta ao nascimento do verdadeiro sentido do Natal, o que na verdade é o real sentido das nossas vidas! Pra tudo há um propósito, nada é por acaso, mas obter as respostas e os significados depende da visão de cada um, seja com os olhos da fé ou da ciência, mas visão e não cegueira dos comuns que vão no calor da maioria sem se questionar ou saber o porquê das coisas, o porquê da existência de uma data comemorativa em pelo menos metade do planeta...
Sim, Jesus nasceu, não sei precisar a data correta, mas sei que nasceu!
Que possamos neste Natal e em todas os dias do ano sentir sua presença, como um ser vivo que veio ao mundo pra fazer a diferença e apesar das incoerências dos homens, ainda assim nos ama muito e continua aqui, aí, ao nosso lado, pra segurar nossa mão, seja em um momento de dor ou pra erguê-las em comemoração, mas ao lado, sempre!
Feliz Natal, Feliz 2009... cada dia ao lado do verdadeiro sentido do Natal, do decorrer do ano, de nossas vidas!

sexta-feira, dezembro 12, 2008

Vick, Cristina, Barcelona


Assisti á alguns dias atrás o novo filme de Wood Allen “Vick, Cristina, Barcelona”. Trata-se de um filme passado na cidade de Barcelona, na Espanha; a crítica já revelou tratar-se de um filme encomendado pelo governo da Espanha para mostrar a cidade turística de Barcelona e suas belezas esquecidas como a cidade de Olviedo, obras de Galdi etc (justificando assim tal encomenda).
O filme gira em torno da amizade entre duas pessoas totalmente diferentes e suas experiências em um país latino. Claro que vira mais um clichê onde turistas americanas vão para um país latino, onde encontram o primeiro típico homem latino para viver uma aventura longe de casa.
Não gostaria aqui de tecer elogios ou críticas sobre o roteiro abordado, sobre o estilo Wood Allen de ser ou sobre as belezas da Espanha, mas gostaria de focar o olhar nas diferenças de personalidades e suas riquezas de olhares únicos sobre o mesmo lugar ou situação.
São sentimentos de busca, angústia, dúvidas, prazeres e conveniências padronizadas por uma sociedade e os espantos diante de tudo que foge desta padronização.
Ouvi muita gente criticar o filme porque ele mostra cenas de um triângulo amoroso eficaz, sobre a relação entre mulheres, sobre traição, curiosidade, medo e prazer, tratadas com naturalidade no filme mas não tão naturais pelas pessoas que assistem. Preconceitos a parte, trata-se de sentimentos e conflitos vividos por todo ser humano que se preste a viver a vida de forma aberta para descobertas sem medo das perdas, focando apenas as riquezas a serem ganhas com tais experiências. Não quero defender nenhuma atitude ali tomada, mas que tal olharmos tudo com um olhar aberto, analítico e sincero sobre as reações ali tomadas e as nossas reações diante disso tudo? Conseguimos ter essa sutileza e riqueza em admirar as reações humanas como um universo aberto a novas experiências em prol do nosso próprio crescimento como ser humano?
O mais interessante é que depois de todo aquele turbilhão de emoções vividas no longa metragem, cada personagem não muda um milímetro do que eram antes de entrarem no olho do furacão. As personagens centrais voltam para Nova York da mesma forma que foram, com suas certezas, convicções, dúvidas e incertezas de sempre, em busca e em fuga das mesmas coisas, mas será mesmo que foi assim? Os personagens da Espanha também por lá ficaram, com seus conflitos e fantasmas, da mesma forma como se nada tivesse acontecido. Geralmente os filmes do Wood Allen terminam assim, forçando esta ótica de que após uma tempestade, o mundo volta a ser e parecer exatamente igual ao que era antes da tempestade, mas será que na vida real é mesmo assim?
Acredito e volto a defender que cada ser humano carrega um universo inteiro e complexo demais para ser tratado com generalização e a naturalidade da maioria como sendo iguais e por acreditar nisso muita gente vive de acordo com essa abordagem, do mundo dos comuns e passam a vida inteira vivendo de acordo com maioria, seguindo a maré dos comuns com medo de mudar ou arriscar tornar-se diferente para não parecer estranho. Como disse anteriormente não vou abordar o preconceito sexual ou regras tradicionais, mas abordo a abertura a novas experiências, vivencias sem deixar que a mesmice nos engesse cegando-nos das maravilhas das experiências humanas.
Que possamos tornar nosso olhar analítico sem preconceitos, nossos sentimentos mais refinados perante as experiências alheias e que as nossas sejam ricas o suficiente para movermo-nos sim, muitos milímetros a cada dia, cada experiência, tornando-nos serem humanos, universos mais ricos.

sexta-feira, novembro 28, 2008

Sonho e Tijolos


Sonho.. quanta ingênuidade e inocência nos remete esta palavra. Quantas e quantas vezes nos deparamos com nossos sonhos, aqueles acariciados durante tanto tempo, a maioria uma vida inteira e de repente nos vemos descartando-os, impossibilitando-os apenas por tratar-se de um "sonho", algo que não combina com nossa realidade e distoa do cotidiano de desilusões e perdas. Porque que tem que ser assim?

A verdade é que toda vez que sonhamos com algo e não conseguimos tornar real esse sonho, criamos defesas inconscientes que nos previnem e nos travam toda vez que lembramos dos outros sonhos sem sucesso ao tentar obter sonhos novos, criando assim uma barreira de proteção para que não venhamos a nos decepcionar outra vez e isso se repete a cada desilusão, cada perda, cada passo em falso, cada erro...

Parece tão contraditório essa defesa, pois por mais que nosso inconsciente tente nos proteger criando essas defesas, ainda assim continuamos "quebrando a cara". O fato é que nós mesmos criamos novos mecanismos para "burlar" o nosso próprio sistema de defesa, em busca de uma nova chance de realização.

Que ótimo que isso acontece, que bom que mesmo sem saber somos corajosos (ou burros,rs) mas pelo sim ou pelo não ainda sou daqueles que preferem quebrar a cara a se acovardar diante de uma situação. Sou daqueles que ainda sonham e que apesar dos pesares buscam a realização dos seus sonhos e lutam por eles, não desistem!

Cada luta é como um tijolo, real e útil, o qual um a um, se juntados da forma correta formarão inicialmente uma parede, e depois outra e com o passar do tempo se tornarão um castelo, grande o suficiente pra abrigar o sonho. A conclusão da construção vai depender da perspicácia do arquiteto, da persistência do engenheiro, do carinho do mestre de obras e de todos os especialistas em realização que existem dentro de cada um de nós...Quanto a mim estou juntando meus tijolos!


quarta-feira, novembro 05, 2008

De volta à Essencia


Faz tempo que não apareço por aqui, ou melhor, apareço, olho comentários, releio algumas publicações, mas não escrevo nada... Sei lá, estou sempre atrás de alguma inspiração, algo que mereça minhas considerações, um comentário pertinente; Mas aí vem uma idéia, depois se vai, outra hora penso em escrever sobre determinado assunto, mas me perco ..em fim... No fundo, ficar sem escrever nada me incomoda, como se estivesse abandonando algo que estimo muito, pois de fato apesar de toda banalização da existência de um blog, este pra mim é importante, pois retrata de fato minha essência, ou um pouquinho dela, e por isso tenho carinho e talvez seja esta a razão da demora em escrever algo, exatamente pra não escrever por escrever, ou escrever qualquer coisa, balelas...
Pensando nisso resolvi me inspirar na falta de inspiração em si, no por que buscamos inspiração e por que ela é tão difícil de dar o “ar da graça”.
Nos últimos meses me vi em uma situação de stress total, correria, loucura e cegueira, sim, cegueira das coisas boas da vida, ou talvez pelo contrário, abri os olhos para as mesmas e resolvi dar um stop para algumas coisas e um start para outras. Sendo assim, reformulei minha vida, literalmente; Mudei minha rotina, passei a prestar atenção nas pessoas, em seus olhos e foco, passei a olhar para a linguagem do mundo, seu afã de ilusão e tirando toda a filosofia poética disso tudo, me questiono: “ Qual meu papel e posicionamento diante disso tudo?” e percebi que ando me esquecendo do que sou, do que quero, de onde quero chegar, esquecendo-me de mim mesma e da minha essência!
Acredito sim que querer ser uma pessoa melhor e querer ajudar a outros nesse objetivo é andar na contramão do mundo e sinto na pele a discriminação e vejo nos olhos dos incrédulos que acreditam que o que faz o mundo girar é o capitalismo, o resto é papo furado dos fracos... respeito, discordo veementemente, ignoro, mas por fim reflito... O que posso fazer diante disso? Que posicionamento devo tomar pra não ser exatamente como a maioria que condeno? É fácil filosofar, mas agir exige posicionamento e coragem, até para exprimir uma opinião. Costumo dizer que mesmo quando não discuto uma opinião, a minha posição diante do fato não muda e por ser assim não preciso convencer ninguém de estar certa ou errada, já que minha própria opinião me basta... Mas no que isso me torna? Covarde, omissa, permissiva? Não sei, não sou dada a discussões, mas por outro lado também não posso deixar de emitir meu posicionado apenas para me poupar de uma boa e quem sabe produtiva discussão.
O fato é que somos seres incríveis, cada um compõe seu universo diariamente, baseado em suas experiências internas e externas e de suas interpretações diante delas e por ser assim, carregamos em nosso “DNA emocional” nossa essência que não será herdada pelas gerações futuras se nos calarmos, omitirmos, pois ao contrário da genética, da razão e das análises microscópicas, as emoções e essência de cada um é assim, tão simples, singular e inexplicável que até dá margem para desconfianças e críticas de alguns, mas motivo de embasbacamento para outros.
Assim como o homem tem gasto milhões e milhões em naves espaciais para descobrir até onde vai a galáxia onde mora e os outros milhões e milhões restantes para construir um acelerador de partículas para esmiuçar o já tão esmiuçado átomo, quem sabe depois de matar sua curiosidade acerca do universo que o cerca finalmente se voltará para dentro de si para descobrir o tão maravilhoso universo que carrega.

quarta-feira, agosto 27, 2008

Dia 27 de Agosto - Dia do Piscólogo


No dia 27 de Agosto comemora-se no Brasil o dia do Psicólogo, data tal que comemora a regularização do trabalho do Piscólogo no País.
Em homenagem a esse dia tão importante gostaria de deixar aqui as palavras de Walmir Monteiro que nos faz lembrar da verdadeira essência do Ser Psicólogo independente da área de atuação que escolhemos seguir:
Ser Psicólogo
Ser psicólogo é uma imensa responsabilidade.
Não apenas isso é também uma notável dádiva.
Recebemos o dom de usar a palavra, o olhar,
As nossas expressões, e até mesmo o silêncio.
O dom de tirar lá de dentro o melhor que temos
Para cuidar, fortalecer, compreender, aliviar.
Ser psicólogo é um ofício tremendamente sério.
Mas não apenas isso é também um grande privilégio.
Pois não há maior que o de tocar no que há de mais
Precioso e sagrado em um ser humano: seu segredo,
Seu medo, suas alegrias, prazeres e inquietações.
Somos psicólogos e trememos diante da constatação
De que temos instrumentos capazes de
Favorecer o bem ou o mal, a construção ou a destruição.
Mas ao lado disso desfrutamos de uma inefável bênção
Que é poder dar a alguém o toque, a chave que pode abrir portas.
Para a realização de seus mais caros e íntimos sonhos.
Quero como psicólogo aprender a ouvir sem julgar,
Ver sem me escandalizar, e sempre acreditar no bem.
Mesmo na contra-esperança, esperar.
E quando falar tiver consciência do peso da minha palavra,
Do conselho, da minha sinalização.
Que as lágrimas que diante de mim rolarem,
Pensamentos, declarações e esperanças testemunhadas,
Sejam segredos que me acompanhem até o fim.
E que eu possa ao final ser agradecido pelo privilégio de
Ter vivido para ajudar as pessoas a serem mais felizes.
O privilégio de tantas vezes ter sido único na vida de alguém que
Não tinha com quem contar para dividir sua solidão,
Sua angústia, seus desejos.
Alguém que sonhava ser mais feliz, e pôde comigo descobrir.
Que isso só começa quando a gente consegue
Realmente se conhecer e se aceitar.

quarta-feira, agosto 20, 2008

Bienal.. Que legal!!






Esta semana (de 14 a 24 de Agosto) acontece no Anhembi em São Paulo a 20º Internacional Bienal do Livro, um encontro grandioso envolvendo milhares de pessoas somente na organização, milhões de livros e milhares de visitantes de todas as idades.
Estive lendo na internet sobre o encontro e o que achei super interessante foi o foco destinado ao público infantil, com atrações, eventos e grandes clássicos da literatura traduzidas para a linguagem infantil, como por exemplo o clássico de Machado de Assis “O Alienista” (aliás, o foco deste ano no museu da Língua Portuguesa também em São Paulo são as obras do deste autor, mas este é outro tópico, rs).
Esse tipo de preocupação é super interessante, pois como adultos muitas vezes esquecemos que um dia fomos crianças descobrindo o mundo e neste momento tudo é novidade, não temos conceitos pré-adquiridos e sendo assim, até uma função matemática é complicada pois não sabemos diferenciar dezena de unidade, por exemplo. Pensando nisso, traduzir livros para a linguagem infantil é uma preocupação fantástica, já que faz com que desde pequenos se tome o gosto pela leitura e principalmente, com este gesto, se desenvolva o pensamento cognitivo, abstrato e fundamental para um bom desenvolvimento da inteligência infantil, fator determinante para um futuro adulto capaz de lidar com os problemas do cotidiano de forma eficaz, desenvolvendo assim não só as faculdades mentais essências, mas uma inteligência emocional, colocando a criança em contato com um mundo rico em experiências e aventuras, típicas dos livros de Monteiro Lobato, por exemplo, que também teve sua obra reeditada depois de muitos anos.
A infância é uma fase mágica e determinante, muitas vezes desprezada, mas que deve ter total atenção e dedicação, pois o jargão é comum mas nunca foi tão real: “ as crianças de hoje serão os adultos de amanhã”, quem sabe os adultos políticos que governarão nosso país, ou os adultos profissionais que trarão eficiência e riqueza á sociedade e preocupados com isso é que profissionais como os organizadores da Bienal dedicam tantos esforços e carinho para garantir que as crianças de hoje sejam sim, esses adultos brilhantes e não o contrário que não preciso nem comentar pois estamos cansados de ver.

Quem quiser saber maiores informações sobre este evento, basta acessar o site através do link: http://www.bienaldolivrosp.com.br/2008/codigo/home.asp?resolucao=1024

segunda-feira, agosto 18, 2008

Andando em Círculos

http://br.youtube.com/watch?v=mvD1BkOQPTc

Estava assistindo TV esse final de semana e achei super interessante a propaganda da Justiça Eleitoral deste ano, alias, são várias, criativas e populares, todas com a mesma idéia central: não desperdiçar o voto, decisão tal que valerá por 4 anos, o que é muito tempo pra ser desperdiçado impensadamente.
Contudo, a propaganda que mais me chamou a atenção foi a que uma moça anda em círculos, fiquei olhando cena, em que toda vez que ela tem pressa, os seus pés a obrigam a andar em círculos, a princípio achei engraçado, mas depois fiquei pensando: “quantas vezes na nossa vida ficamos andando em círculos?” Claro que o ela está querendo dizer é que votar errado toda vez é como andar em círculos, sem sair do lugar... mas eu gostaria de ir mais longe, e na nossa vida pessoal, quantas vezes ficamos ali, andando em círculos sem sair do lugar? É claro que este tipo de reflexão é óbvia, mas até que ponto a levamos a sério?Quantas vezes quando queremos ir pra frente com pressa, acabamos dando meia volta, ou uma volta inteira e no final das contas não saímos do lugar? Ou voltamos para o mesmo lugar de onde saímos?
Fico refletindo sobre minhas decisões e as respostas que a vida me dá, e coincidência ou não, muitas vezes obtenho as mesmas respostas, ou seja, será que não ando emitindo as mesmas perguntas? Agindo da mesma forma? Andando em círculos?
Em outros momentos, com medo de prosseguir, quando estou de frente com portas abertas, acabo dando meia volta e dando pra trás, andando novamente em círculos...
É engraçado como na propaganda ela alega “os meus pés não me obedecem, eu falo pra eles: não é pra lá, mas eles não me obedecem”... engraçado como na vida da gente isso também acontece.. queremos ir pra um determinado lugar e quando nos damos conta estamos indo na direção contrária, e nosso consciente nos fala “não vá pra lá” mas nossos pés não obedecem...
O fato real é que devemos ouvir a voz do nosso próprio coração e a voz da nossa consciência e obedecê-los! Devemos e podemos sim fazer com que nossos pés andem na direção que queremos que eles vão, pois ficar andando em círculos no mínimo atrasa nosso trajeto e de fato não nos leva a lugar algum. Saber aonde ir é importante mas ir é fundamental, pois muitas vezes sabemos onde queremos chegar mas não temos disposição ou força para ir na direção certa! Ouvir nossos sonhos e correr atrás deles muitas vezes é desafiador ainda mais quando correr atrás dos nossos sonhos exige irmos na direção contrária a que temos seguido, contudo esse medo não deve nos paralisar ou fazer com que nossos pés andem em círculos, mas deve sim, impulsionar-nos para a direção certa, aquela para onde o nosso coração aponta!
Que possamos deixar de andar em círculos para andar pra frente, em direção das nossas realizações.. para o alto e avante!

quarta-feira, junho 25, 2008

Experiência

No processo de seleção da Volkswagen do Brasil, os candidatos deveriam responder a seguinte pergunta:'Você tem experiência'?A redação abaixo foi desenvolvida por um dos candidatos. Ele foi aprovado e seu texto está fazendo sucesso, e com certeza ele serásempre lembrado por sua criatividade, sua poesia, e acima de tudo por sua alma.
REDAÇÃO VENCEDORA:
Já fiz "cosquinha" na minha irmã pra ela parar de chorar.
Já me queimei brincando com vela.
Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto.
Já conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo.
Já quis ser astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista.
Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora.
Já passei trote por telefone.
Já tomei banho de chuva e acabei me viciando.
Já roubei beijo.
Já confundi sentimentos.
Peguei atalho errado e continuo andando pelo desconhecido.
Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro.
Já me cortei fazendo a barba apressado.
Já chorei ouvindo música no ônibus.
Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que eram as mais difíceis de esquecer.
Já subi escondido no telhado pra tentar pegar estrelas.
Já subi em árvore pra roubar fruta.
Já caí da escada de bunda. Já fiz juras eternas.
Já escrevi no muro da escola.
Já chorei sentado no chão do banheiro.
Já fugi de casa pra sempre, e voltei no outro instante.
Já corri pra não deixar alguém chorando.
Já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só.
Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado.
Já me joguei na piscina sem vontade de voltar.
Já bebi uísque até sentir dormente os meus lábios.
Já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar.
Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso.
Já quase morri de amor, mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial.
Já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar.
Já apostei em correr descalço na rua,Já gritei de felicidade,
Já roubei rosas num enorme jardim.
Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um 'para sempre'pela metade.
Já deitei na grama de madrugada e vi a Lua virar Sol.
Já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e avida é mesmo um ir e vir sem razão.
Foram tantas coisas feitas.Tantos momentos fotografados pelas lentes da emoção e guardados num baú,chamado coração.
E agora um formulário me interroga, me encosta na parede e grita:'Qual sua experiência?'.Essa pergunta ecoa no meu cérebro: experiência... Experiência...Será que ser 'plantador de sorrisos' é uma boa experiência?Sonhos!!! Talvez eles não saibam ainda colher sonhos!
Agora gostaria de indagar uma pequena coisa para quem formulou estapergunta:
Experiência? 'Quem a tem, se a todo o momento tudo se renova?'

quinta-feira, junho 12, 2008

Dia dos Namorados

No Brasil comemoramos o dia dos namorados no dia 12 de junho. Mas em grande parte do mundo (como EUA, Itália e Canadá), a data escolhida é 14 de fevereiro, dia de São Valentim (São Valentino, para alguns, ou o Valentine's day dos americanos), um santo devotado à idéia do amor.
Na verdade, há dois santos "Valentino". Um deles foi um padre, santo e mártir, que viveu no tempo do império romano, no ano de 269, durante a perseguição aos cristãos.
Segundo a lenda, o imperador Cláudius II estava mais interessado em seu exército e nas guerras do que na vida em família , e ele estava convencido de que os solteiros, sem esposas nem filhos, eram melhores soldados do que os casados e não teriam medo no campo de batalha.
Tanto era verdade, que o imperador foi tão longe a ponto de ditar uma lei proibindo o casamento. São Valentino, contudo, desafiou o imperador e continuou a celebrar matrimônios em segredo, até ser descoberto, preso e executado.
O outro São Valentino também viveu sob o império romano. Ele levava uma vida simples e era especialmente bondoso com as criancinhas. Um dia, Valentino foi jogado na prisão pelos romanos por ter se recusado a adorar os deuses deles. Dizia-se que as crianças escreviam mensagens de amor para ele e as lançavam pela janela da cela. Estes foram os primeiros cartões do "dia dos namorados". Mas não existe nenhum registro histórico disso.
Os cartões que conhecemos hoje foram feitos pela primeira vez por volta de 1800 e alguns eram bem enfeitados e decorados com pássaros e flores. Hoje, alguns dos cartões mais populares são os de humor.
No Brasil, apesar de ser comemorado às vésperas do dia de Santo Antônio, o famoso santo casamenteiro, tudo começou com uma campanha realizada em 1949 pelo publicitário João Dória - na época na Agência Standard Propaganda - sob encomenda da extinta loja Clipper.
Para melhorar as vendas de junho, então o mês mais fraco para o comércio, e com o apoio da confederação de Comércio de São Paulo, instituiu a data com o slogan:
"Não é só de beijos que se prova o amor".
A Standard ganhou o título de agência do ano e a moda pegou, para a alegria dos comerciantes. Desde então, 12 de junho se tornou uma data especial, unindo ainda mais os casais apaixonados, com direito a troca de presentes, cartões, bilhetes, flores, bombons....uma infinidade de opções para se dizer "Eu Te Amo!".
Nem todos os países comemoram o dia dos namorados como nós fazemos. Na Itália, as pessoas fazem um grande banquete no dia 14 de Fevereiro. Na Inglaterra, as crianças cantam canções a recebem doces e balas de frutas de seus pais. E na Dinamarca, as pessoas mandam flores prensadas umas às outras, chamadas "flocos de neve".
No Japão a data foi introduzida em 1936 e o costume neste dia é as mulheres presentearem os seus amados com caixas de chocolates. Embora a data represente uma oportunidade para as mulheres declararem o seu amor, nos últimos anos o giri choco (chocolate de cortesia ou “obrigação”) também se encontra presente na cesta de compra de grande parcela da população feminina. Mas, muita gente ainda reluta em adotar a data, alegando que se trata de uma jogada comercial, no que não deixam de ter razão, uma vez que o Valentine’s Day representa cerca de 20% do volume anual de vendas das fábricas de chocolate do arquipélago. Mas, o que vale mesmo é a intenção e não há como negar que a vida fica um pouquinho mais doce com estas declarações de amor e com estes chocolates.
Nos Estados Unidos nos dias que antecedem 14 de fevereiro, lojas de cartões, livrarias, lojas de departamentos e drogarias oferecem uma grande variedade de cartões comemorativos chamados Valentines.
Os adultos costumam comprar cartões para acompanhar presentes mais elaborados como doces, flores ou perfumes. Nas escolas as crianças apreciam comprar ou fazer cartões para seus amigos e professores.
Mas, cá entre nós, todo dia é dia para se dizer "Eu Te Amo!"

NI TE AMO!!! :)

À todos um feliz dia dos namorados, todos os dias!

quinta-feira, junho 05, 2008

A vida não pára!






O objetivo de todo ser humano completo é ser feliz em tudo que faz, tanto na vida pessoal quanto e principalmente na vida profissional; Crescer e tornar-se bom em alguma coisa é nosso foco desde pequenos. A partir do momento que entramos na pré-escola, pronto acabou nossa paz e sossego, gradualmente aumentam nossos desafios e responsabilidades e quando nos damos conta, estamos na selva chamada mercado de trabalho, e independente da profissão que escolhemos sempre haverá uma fila de gente atrás de nós e o que preocupa de fato são as pessoas que já estão na nossa frente mais preparadas, qualificadas e etc.. Aí bate aquele medo e os questionamentos, e agora, o que eu faço pra ter meu lugar ao Sol?

Com isso corremos atrás de tudo que é exigido: cursos, faculdades, palestras, experiência, vivência e ufaaa... ainda falta tanta coisa!! Aí resolvemos ficar ali, na zona de conforto que conquistamos e nos acomodamos com aquilo.. com o pouco, ou até com o muito sem perceber que ainda tem muita coisa boa por se conquistar, mas aí dá preguiça, falta de tempo, alegamos falta de oportunidade e dentre tantas coisas ou desculpas, ficamos ali, parados, vendo o tempo passar...

As vezes uns chacoalhões na vida fazem bem.. tive um desses na semana passada de uma pessoa maravilhosa da minha vida; No início fiquei magoada, assustada, pois como pode você se esforçar, dar seu sangue para alcançar seus objetivos e de repente alguém chega e diz que o seu muito ainda é pouco? Mesmo assim, passado o tranco inicial, com calma vejo que tudo foi pro meu bem e eu é quem não queria enxergar, afinal a minha zona de conforto tá quentinha, porque vou enfrentar o frio dos desafios? A resposta é que se quero alcançar algo na vida, meu lugar ao sol e a realização dos meus sonhos, tenho que colocar um cachecol de coragem, um blusão de determinação e sair do quentinho pra enfrentar o frio, o vento.. em buscar do meu lugar ao Sol, que será bem + quentinho, gostoso e natural do que julga minha percepção debaixo das minhas cobertas de desculpas e medo...

A vida é assim, cheia de desafios e a cada dia tem alguma novidade, surpresa e somente serão vencedores aqueles que se dispuserem a enfrentar os desafios para vencer.. Aqueles que pensam que deixar seu barquinho a velas ser guiado pelo vento achando que chegará em um lugar seguro por si só está bastante enganado; Somente aqueles que agarram com força e vontade o timão do seu barco é que conseguirá guiá-lo ao seu Porto Seguro.

Tenho pensando muito sobre isso nos últimos dias e não só pensado, já arregacei as mangas, enfrentei desafios iniciais que me amedrontavam e quando fiz isso percebi que eles eram bem menores e mais fracos do que meus medos julgavam.. ou seja, ás vezes imaginamos monstros do armário assim como fazíamos na infância, deixando-os cada vez maiores, mais fortes e amedrontadores a cada noite, mas quando finalmente resolvemos enfrentá-los, percebemos que nem existiam de fato.

Neste afã de atualizações, vi no site do Fantástico no quadro “Empregos de A a Z” dicas do consultor de RH Max Gehringer sobre o mundo corporativo e como com atitudes simples podemos garantir sucesso no dia-a-dia do trabalho. Quem quiser ver os vídeos e ler as reportagens e dicas, podem acessar através do link: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/Fantastico/0,,8648,00.html

· Outra dica é um livro que estou lendo e também achei fantástico, intitulado: “Mulheres Ousadas Chegam Mais Longe” da escritora e também consultora de Recursos Humanos de fama internacional LOIS P. FRANKEL , neste há um teste muito interessante que aponta em qual área da sua carreira você tem deficiências, qual seu ponto fraco que pode estar atrapalhando sua carreira etc, muito bom, vale a pena conferir.

Em fim, é fantástico crescer, agregar experiência de vida e melhor ainda quando tais experiências agregam valor á nossa vida profissional, direcionando-nos e localizando-nos ao tão sonhado lugar ao Sol, lugar quente e seguro, onde podemos trabalhar com satisfação e jamais parar.. pois o crescimento pessoal nunca pára, a vida não pára!

sexta-feira, maio 30, 2008

Coisas que eu sei...

Eu quero ficar perto De tudo que acho certo Até o dia em que eu Mudar de opinião A minha experiência Meu pacto com a ciência Meu conhecimento É minha distração...Coisas que eu sei Eu adivinho Sem ninguém ter me contado Coisas que eu sei O meu rádio relógio Mostra o tempo errado Aperte o Play...Eu gosto do meu quarto Do meu desarrumado Ninguém sabe mexer Na minha confusão É o meu ponto de vista Não aceito turistas Meu mundo tá fechado Pra visitação...Coisas que eu sei O medo mora perto Das idéias loucas Coisas que eu sei Se eu for eu vou assim Não vou trocar de roupa É minha lei...Eu corto os meus dobrados Acerto os meus pecados Ninguém pergunta mais Depois que eu já paguei Eu vejo o filme em pausas Eu imagino casas Depois eu já nem lembro Do que eu desenhei...Coisas que eu sei Não guardo mais agendas No meu celular Coisas que eu sei Eu compro aparelhos Que eu não sei usar Eu já comprei...As vezes dá preguiça Na areia movediça Quanto mais eu mexo Mais afundo em mim Eu moro num cenário Do lado imaginário Eu entro e saio sempre Quando tô a fim...Coisas que eu sei As noites ficam claras No raiar do dia Coisas que eu sei São coisas que antes Eu somente não sabia...Coisas que eu sei As noites ficam claras No raiar do dia Coisas que eu sei São coisas que antes Eu somente não sabia...

sexta-feira, maio 16, 2008

Eu sou a pessoa mais bonita do mundo!



A revista Marie Claire lançou uma enquete no começo do ano e agora publicou em sua edição de Maio as respostas de diversas pessoas á pergunta “ Você é a pessoa mais bonita do mundo?” e as pessoas respondiam em poucas palavras que sim e o que as faziam se sentir assim.. A intenção da revista era exatamente descobrir esse “algo” a mais, essa força que chamamos de auto-estima, a qual nos faz sentir bem conosco mesmos, assim, como somos, mesmo sem nos encaixarmos nos padrões de beleza impostos pela mídia e sociedade.

O fato é que cada um de nós possui sua beleza singular, aquela que nos diferencia das demais pessoas não como melhores ou piores, mas como somos, em nossa essência, nosso interior o qual se reflete sem dúvida no exterior, nas nossas ações e até decisões.
Uma auto-estima bem firmada abre portas no mercado de trabalho, nos concede oportunidade de conhecer pessoas legais e mantê-las como amigos, nos faz conhecer uma pessoa especial que chamamos de amor de nossas vidas, nos mantêm bem com nossos familiares e pessoas próximas e principalmente nos mantêm em paz conosco mesmos, em paz com a consciência, com o espelho. Uma auto estima alta e bem firmada embeleza o rosto, nos deixa leves e tal atitude reflete no que as pessoas vêem e pensam de nós e não um corpo esbelto, cabelos lisos mas sem atitude nenhuma.
Amar a si mesmo inclui aceitação, admiração e sorrisos, afinal um bom sorriso pra nós mesmos ilumina o dia, a vida!

Eu também me acho a pessoa mais bonita do mundo, com qualidades e peculiaridades próprias das escolhas que fiz, da personalidade que formei ao longo da história da minha vida, a qual crio todos os dias surgindo assim a necessidade de me amar todos os dias. Me sinto feliz como sou, gosto do meu jeito de amar as pessoas incondicionalmente, de ter a sensibilidade da empatia e simpatia. Amo ter essa “afinidade” para dar conselhos, conversar, olhar nos olhos, entender, ser compreensiva com todos. Adoro quando as pessoas me elogiam pra minha mãe, dizendo que sou bonita e ela responde “ela é bonita, mas é mais bonita ainda por dentro”; Sim, gosto e cultivo minha beleza exterior já que é meu cartão de visitas, adoro meus olhos, meu sorriso, meus cabelos, meu corpo...mas cultivo principalmente minha beleza interior, me sinto gigante por dentro!

Parece estranho nos gabarmos pelas nossas qualidades, parece pecado sermos convencidos, soa como ilusão da nossa parte, afinal nem todo mundo vai concordar com o que você acha, mas parece tão normal aceitarmos uma crítica ofensiva, aceitamos com naturalidade quando alguém nos trata mal, nos ofende, nos maltrata... E no fundo é bem isso, “permitimos” que isso aconteça e quando alguém nos critica, essa crítica abala pelo menos outros 5 elogios, pois nos chama mais atenção, nos assusta, impressiona. Mas porque agimos assim? Precisamos fazer o exercício de levar mais em consideração aquilo que é belo em nós, aceitarmos críticas com humildade, mas também lembramos que não é de todo ruim, temos qualidades que compensam.

Que possamos nos amar, nos sentir bonitas, valorizar e colocar em destaque nossas qualidades que nos tornar impar na vida, afinal cada um de nós é único no Universo, com DNA próprio, personalidade única e singular,somos cada um a sua maneira A PESSOA MAIS BONITA DO MUNDO!

Quem quizer ler a reportagem da Marie Claire na íntegra, basta acessar através do link: http://revistamarieclaire.globo.com/EditoraGlobo/componentes/article/edg_article_print/1,3916,1678374-1740-1,00.html

sexta-feira, abril 18, 2008

Fisiologia Emocional


Li um artigo essa semana do DEEPAK CHOPRA que é um indiano radicado nos EUA desde a década de 70, médico formado na Índia, com especialização em Endocrinologia nos Estados Unidos. Filósofo de reputação internacional, já escreveu mais de 35 livros, um dos mais respeitados pensadores da atualidade, e ele falava exatamente sobre a fisiologia emocional, como nossos sentimentos afetam nosso corpo, nosso organismo e consequentemente nossa vida.
Resolvi assim posta-lo aqui, para reflexão:
"Somos as únicas criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos! Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificados por eles. Um surto de depressão pode arrasar seu sistema imunológico; apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida.A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse. Suas células estão constantemente processando as experiências e metabolizando-as de acordo com seus pontos de vista pessoais.
Não se pode simplesmente captar dados brutos e carimbá-los com um julgamento.
Você se transforma na interpretação quando a internaliza. Quem está deprimido por causa da perda de um emprego projeta tristeza por toda parte no corpo – a produção de neurotransmissores por parte do cérebro reduz-se, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores neuropeptiídicos na superfície externa das células da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lágrimas de alegria.
Todo este perfil bioquímico será drasticamente alterado quando a pessoa encontra uma nova posição. Isto reforça a grande necessidade de usar nossa consciência para criar os corpos que realmente desejamos. A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido. O processo de envelhecimento, contudo, tem que ser combatido a cada dia. Shakespeare não estava sendo metafórico quando Próspero disse: “ Nós somos feitos da mesma matéria dos sonhos.” Você quer saber como esta seu corpo hoje?Lembre-se do que pensou ontem, Quer saber como estará seu corpo amanhã?
Olhe seus pensamentos hoje!” Ou você abre seu coração, ou algum cardiologista o fará por você!”
Que possamos ouvir a voz do nosso próprio corpo e respeita-lo, pois quando cuidamos de nós mesmos, dos nossos sentimentos e consequentemente do nosso corpo mostramos amor a nós mesmos e a vida como um todo é muito preciosa pra ser disperdiçada... "Abra seu coração, antes que um cardiologista o faça"!!




sexta-feira, março 14, 2008

How wonderful life is, now you're in the world !!!


My love, my life.. My Ni!

I love you so much and you know.. but I wold like
to offer this song for you .. just to say one more time:
I LOVE YOU!

Your Song
Moulin Rouge
Composição: Indisponível

My gift is my song... and this one's for youAnd you can tell everybody that this is your songIt maybe quite simple, but now that it's doneI hope you don't mind, I hope you don't mindThat I put down in words...How wonderful life is now you're in the world
I sat on the roof and I kicked off the mossWell some of these verses, well they've, they've got me quitecrossBut the sun's been kind while I wrote this songIt's for people like you that keep it turned on
So excuse me forgetting, but these things I doYou see I've forgotten if they're green or they're blueAnyway, the thing is, what I really meanYou got the sweetest eyes I've ever seenAnd you can tell everbody that this is your songIt may be quite simple but now that it's done
And you can tell everybody that this your songIt may be quite simple but now that it's doneI hope you don't mind, I hope you don't mindThat I put down in wordsHow wonderful life is, now you're in the worldI hope you don't mind, I hope you don't mindThat I put down in words How wonderful life is, now you're in the world


Your for ever
Ariane

sexta-feira, março 07, 2008

Dia Internacional da Mulher.. mas e o Interior?




Exatamente amanhã dia 08 de Março é comemorado o dia internacional da Mulher! Que maravilha, que conquista louvável! Afinal se olharmos a história veremos mulheres fantásticas lutando por causas que hoje temos conquistado e na maioria das vezes nem damos valor, como o direito ao voto por exemplo. Entretanto no decorrer da história existiram mulheres como as de hoje, comuns, batalhadoras em fim normais (se é que é justo atribuir um adjetivo “comum” ou “normal” ás mulheres que em sua essência são muito mais que isso!) e com o passar dos anos, épocas e fases nós mulheres enfrentamos mudanças tanto externas quanto internas.. Começamos a atribuir valores ás coisas diferentes, fomos de certa forma obrigadas a entrar na roda viva de jornadas duplas de trabalho, competitividade, desafios e metas agressivas e nos adaptar a uma realidade que no fundo não estávamos preparadas para agüentar. Todas as conquistas são louváveis, mas até que ponto estamos preparas pra isso? Fomos assim, de desafios á decepções, de “frio na barriga” á rotinas exaustivas nos adaptando ao mundo novo, um dia após o outro e conforme o esperado, de forma grandiosa, com leveza e competência, superando as expectativas com feminilidade.
Contudo, dentre o turbilhão de emoções, desafios, novidades e conquistas, o que de fato me preocupa é o que está acontecendo com o nosso interior? Aquela partizinha que só nós conhecemos, que por vezes escondemos e na maioria das vezes deixamos de lado. Como está nosso íntimo? Nossos sonhos? Nossos reais desejos e não aqueles que nos impuseram? Temos cuidado com carinho? Temos sido leais e sinceras consigo mesmas?
Neste dia Internacional, gostaria que olhássemos pro interior e fizéssemos as pazes com o lado que temos sido negligentes, Aquele em que muitas vezes desistimos dos sonhos para realizar os sonhos alheios, Aquele em que mora a vontade de se fazer o que gosta mas substituímos pelo que nos dá mais dinheiro, Aquele lugar onde nos decepcionamos com expectativas externas ou alheias mas não falamos nada pra não chatear o outro.. em fim Aquele lugar onde mora a nossa criança, aquela que um dia sonhou em crescer e se tornar mulher de verdade, pois quando sonhávamos em poder usar batom, vestido, salto alto e nos perfumar não pensávamos só na vaidade, mas no poder que isso proporciona, no prazer da independência, da segurança de si.
Que sejamos aquela mulher que um dia queríamos ser, uma mulher brilhante, realizada, feminina, sorridente, segura, de sucesso.. feliz!

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Livros


Desde pequena sempre tive um verdadeiro fascínio por livros.. meus olhos brilhavam ao ver aquele monte de letras em páginas e páginas a fio..e ao contrário das outras crianças, não gostava de livros com ilustrações e gravuras, achava sem graça, afinal livro é pra ler e não pra "assistir desenho" como eu mesmo justificava minha idéia.. rs
O meu primeiro livro que li até o fim e adorei foi o clássico francês "O Pequeno Príncipe", claro q com gravuras e simplificado, eu tinha 8 anos e estava na segunda série.. e inclusive este livro também me marcou porque aconteceu algo engraçado envolvendo o acontecimento.
Todos os dias saía da escola ás 11:45hs e ia direto pra casa, como todas as crianças.. eu estudada em uma escola de freiras chamada "Educandário Dom Bosco" na cidade de Petrolina no Pernambuco (pq tão longe? esta é outra história.. longa. rs), e na escola tinha uma biblioteca que me encantava.. lógico, vários livros, estantes.. livros antigos, sobre religião.. já que lá também era uma escola para formação de padres, vindos de todo lugar do estado (talvez isto também explique meu interesse por assuntos religiosos, mas esta também é outra história), mas voltando ao assunto, neste dia em que fui buscar o livro "O pequeno príncipe", me encantei tanto que comecei a lê-lo ali mesmo.. a Freira foi almoçar e não percebeu que eu estava na biblioteca.. todas as crianças foram embora e eu fiquei ali, lendo.. lendo..e em casa minha mãe me aguardava pra almoçar e nada de chegar.. e o tempo foi passando.. minha mãe ficando angustiada.. ligou para as amigas e todas diziam ter me visto sair da sala.. ligou na escola e afirmaram que não havia mais nenhuma criança por lá.. tadinha da minha mãe, ficou em prantos..mobilizou polícia e tudo, até que resolveram me procurar na biblioteca e lá estava eu, sentadinha, lendo!.. rsrs.. hoje e pra mim foi engraçado, mas se perguntarem pra minha mãe.. rsrs...
Mas de fato, ler sempre foi um prazer.. lembro-me depois disto que o segundo livro que me marcou dentre tantos, foi o 1º "grande" livro, com + de 250 páginas em que no meu record pessoal li em 14 dias.. foi o livro "Alquimista" do Paulo Coelho, ganhei o livro do meu grande primo-irmão, meu "mentor" no meu aniversário de 12 anos.. também adorei e apesar de hoje não ser muito fã das obras do Paulo Coelho, guardo o livro com carinho.
E assim foram páginas e páginas de fascínio, atenção, entretenimento, aprendizado e muito prazer.. horas de dedicação, companheirismo... tantas horas que nem vi passar...
Ler pra mim é + que simples estudo, é uma forma de me colocar em contato com idéias diferentes, terras distantes, pessoas distintas e universo que só o ser humano tão singular como é cada um pode criar e nos fazer exclamar: "como não pensei nisto antes"!
Meu gosto pela leitura é totalmente eclético.. gosto de tudo, desde aventura, romance até livros de filosofia.. os de psicologia são um capítulo à parte, já que é o que estudo e pretendo ter como profissão mas ao mesmo tempo é o meu maior prazer, gosto de verdade de estudar, ler e reler...
Esses dias, na edição da Veja da semana passada havia uma matéria falando sobre como conservar objetos, dando dicas de como guarda-los de forma a conservá-los da melhor forma e dentre dicas sobre como conservar sapatos, jóias e etc. havia uma sobre como conservar livros e o exemplo que deram foi de um senhor que tinha em sua casa mais de 1500 exemplares de livros, verdadeiras relíquias e ele velhinho, afirmando á jornalista que conservava com carinho todos eles e até instalou um desumidificador que deixava ligado até nos dias mais secos, pois não arriscaria por em risco nenhum exemplar se quer de seu "tesouro".. e vendo isto me lembrei de quando criança afirmava que quando estivesse bem velhinha, a única riqueza que gostaria de ter acumulada eram os livros.. vários deles, de todos os tipos, tamanhos e títulos... Que lindo.. que riqueza de valor inestimável.. com certeza eis aí o único tesouro que não nos podem roubar: a sabedoria e o conhecimento! Os livros podem até serem roubados, ou depreciados pelo tempo.. mas os momentos de leitura, o conhecimento adquirido e o prazer proporcionado são incalculáveis!!
Há quem diga que o livro está com os dias contatos, já que com a tecnologia e modernização hoje em dia é bem mais fácil baixar um livro pela internet do que ter que ir a uma livraria.. mas eu duvido disso, pois um dos prazeres de se ler um livro é exatamente tê-lo em mãos, senti o cheirinho de livro novo e até o "cheirinho de estante" é um prazer... acredito que o livro é um bem da humanidade já que toda nossa história, nossas descobertas e até tudo que hoje somos devemos aos benefícios do livro!
Um bom livro, uma xícara de chá quentinho no inverno ou uma brisa fesquinha de ventilador no verão ou seja onde, com quem ou como for: A companhia de um bom livro é um prazer inenarrável!!

sexta-feira, janeiro 04, 2008

Ano Novo..sonhos velhos: Nova Oportunidade!



O ano novo adormece dentro de vc...tantas resoluções de ano novo.. vida nova..velhas promessas... novas chances..velhos sonhos, velhos projetos...novas oportunidades..E a cabeça, é nova ou com velhos hábitos? O que temos de alterar ou mudar dentro de nós para que o exterior tenha o reflexo positivo que queremos emitir?
Nenhuma novidade em se afirmar sobre todas as atitudes citadas acima, desencadeadas pelas festividades do final do ano e da chegada de um novo ano..mas a cada amanhecer não temos as mesmas oportunidades? Então porque só paramos pra pensar nas coisas que queremos mudar ou alcançar no final do ano?
A verdade é que pensamos sim, a cada dia, a cada hora e a cada instante ou momento que nos lembre ou remeta a tudo aquilo que de fato e no fundo queremos ser ou ter, contudo ter coragem e disposição pra encarar o novo, pra lutar pelas conquistas e conseguir alcançar o alvo nem sempre é tão fácil e por tal motivo adiamos pra amanhã o que gostaríamos que fosse realidade hoje..e a soma de todos esses "adiamentos" culminam exatamente nos sonhos, planos, projetos e resoluções que brilham nos nossos olhos diante o brilho do estourar dos fogos de artifício e ao vislumbrarmos as luzes coloridas em formatos diversos que nos encantam, vemos passar diante dos nossos olhos também os sonhos mais brilhantes que temos cultivado na alma, aqueles que fazem nossos olhos brilharem e lagrimejarem de emoção diante da grandeza e plenitude daquilo que só de pensar nos deixa mais felizes, mais leves e mais completos...Sonhos que acalentamos e cultivamos muitas vezes durante a vida inteira mas nem sempre temos as oportunidades corretas, a hora certa ou a coragem suficiente pra torna-los realidade!
Que possamos guardar em nossas memórias o encanto diante dos fogos de artíficio que anunciam o iniciar de um novo ano, mas que os mesmos possam despertar nossos sonhos, tranzendo-os á superfície da nossa alma, tão pertinho das mãos que possamos tocá-los, pra assim senti-los de forma concreta, quem sabe sentir até o calor, o sabor, ver a cor e sentir sua superfície de tão real que possamos sentir e que assim, possamos neste novo ano aproveitar esta nova oportunidade pra lutar, reagir e fazer acontecer.. pois não é só de sonhos que é feita uma vida, mas de realizações.. sim.. realizações deles: os sonhos reais, aqueles adormecidos dentro de nós!