sábado, dezembro 02, 2006

Leveza...


Eu queria ter a sensibilidade e a simplicidade de captar na vida esses momentos de leveza.. leveza do decidir, leveza no falar, leveza no tratar, leveza do ser... leveza de um espírito livre, livre de preconceitos e pré-conceitos, livre das mesquinharias que o ser humano insiste em pegar para si e perpetuar coisas fúteis e pequenas... leveza de um caráter que não precisa gritar e se anunciar para ser ouvido e sentido, leveza de uma personalidade forte mas frágil, que com sua constante inconstância tenha a levidade e a simplicidade de se reciclar sem ninguém notar... Queria ter a leveza dos pássaros q vivem leves, livres e soltos, e quando há necessidades vitais, migram para outro lugar mais quentinho e confortável sem a menor cerimônia e talvez seja esse espírito livre que os fazem tão leves e não o contrário...
Porque na vida temos vários momentos de intensidade, profundidade e propriedade, mas os mesmo são necessários exatamente para que culminem em momentos de qualidade, leveza e liberdade!
Que sejamos e estejamos atentos a essa necessidade simples, mas importante de liberdade, leveza e simplicidade, pois uma vida leve é bem mais fácil de se levar!

sexta-feira, dezembro 01, 2006

Life's go on...


Ser feliz é buscar em seus defeitos a melhoria de cada dia . Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples ,que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar "eu errei". É ter ousadia para dizer "me perdoe". É ter sensibilidade para expressar "eu preciso de você". É ter capacidade de dizer "eu te amo". É ter humildade da receptividade. Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz .. E, quando você errar o caminho, recomece, pois assim você descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para lapidar o prazer. Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência. Jamais desista de si mesmo. Jamais desista das pessoas que você ama. Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um obstáculo imperdível, ainda que se apresentem dezenas de fatores a demonstrarem o contrário. Seja feliz independentemente de qualquer coisaISSO É POSSÍVEL SE VOCÊ TENTAR .

quarta-feira, novembro 15, 2006

Compartimentos de Sentimentos


"Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia". (Nietzsche)

Muitas vezes me perguntei porque me sinto só, mesmo nas vezes em que estive cercada de tanta gente.. e tanta gente boa, legal, amiga...em fim.. pessoas q eu amo....mas ao ter tal sentimento de falta, de solidão oculta, de vazio, percebi que cada pessoa tem seu lugar específico dentro de nós, sim, cada uma.. mas em compartimentos diferenciados, lugares distintos e com importâncias diferentes, nem maiores, nem menos.. diferentes!
Seguindo tal linha de raciocínio, creio que quando sentimos tal vazio significa que existe um lugar específico que ainda não foi preenchido e se algum dia o foi, já não mais está, alguém ocupou e saiu desse lugar e passou a ocupar outro.. em outras palavras.. o lugar que estou querendo dizer é o lugar do amor.. sim aquele amor que nos completa, nos preenche e manda embora qualquer sentimento de vazio e solidão...
Nietzche quando escreveu tal pensamento estava sentindo exatamente esse vazio.. o qual, só poderá ser preenchido por quem verdadeiramente nos oferecer companhia, ou com outras palavras nos corresponder a tal nescessidade de amor e assim, ambos poderão se preencher, gerando assim satisfação mútua.
Admitamos ou não, sensíveis a tal sensação ou não, a mesma existe e que tal auto conciência sirva ao menos para nos fortalecer, sim.. pois quando admitimos, reconhecemos e identificamos os sentimentos que temos, aí é que podemos trabalhar pra que tal sentimento tenha seu lugar, seu compartimento próprio.. assim, sem pressa, nem grande demais nem desprezado demais.. no tamanho certo.... seja pra encontrar tal pessoa que preencha ou pra esperar... assim, sem correr, sem sofrer, sem temer... com a atenção nescessária para a importancia de todos sentimentos!

terça-feira, outubro 03, 2006

Eterno questionar?


Eu queria ter respostas concretas para os "porquês" que insistem em nos sondar. Nossas vidas parecem um círculo, no qual andamos para voltar pro mesmo lugar. Será que estamos vivendo aquela história real de se conseguir sempre a mesma coisa exatamente porque insistimos em fazer e refazer as mesmas coisas? O que temos que mudar? Nosso pensar? reagir? ou os dois? O mundo gira em torno de si, essa é a realidade, e nós, giramos em torno do quê?
Só sei que nos cansamos dos problemas, do constante plantar e até da própria colheita. Porque não há satisfação conosco? Porque esse constante correr atrás do vento que resulta em colocar a felicidade sempre onde não estamos?
Às vezes queremos revolucionar nossa própria vida, mas com qual objetivo concreto? O que realmente queremos de nós mesmos? Justificativas em querer colocar a culpas de nossas frustrações nos outros são permissões que fazemos ou apenas camuflagem da verdade por pura covardia e omissão? Deixar nas mãos dos outros a nossa felicidade é justo? Cadê o “basta submissão?” Ou será que é apenas um vil esconderijo para não dar os nomes próprios aos erros, mas vive-los sem nomeá-los para parecer mais leve, menos feios e de tão escondidos mais bonitos?
Refletir sobre nossas indagações é tirar o véu da autopiedade á eleita santidade para descobrir a sempre ali normalidade. Viajamos do céu ao inferno em um ciclo que parece ter objetivo e sentido, mas que precisar deixar de ser um ciclo para ser uma estrada reta que nos leve a algum lugar, sei lá, só pra começar...
Áh essa vontade de um eterno começar... Prova do ciclo ou reluta insistência em sair dele? A única verdade absoluta é a eterna inconformidade, ruim e atormentadora ás vezes, outras impulsionadora das transformações...Mas quais transformações? Vitórias ou apenas gritos que após ecoarem somem e não sobra diferença alguma?
Sina, destino ou conseqüências? O que é nossa vida? Quais são seus propósitos e objetivos? Qual sentido dou á minha vida? Tem sido boas minhas escolhas ou paro apenas no constante questionar delas?
Às vezes me pergunto porquê somos assim.. Porquê nos preocupar tanto com tais respostas? Será que esta nossa internalização nos levará a algum lugar além do centro dos nossos questionamentos? Porquê essa constante busca pela novidade enquanto a comodidade nos paralisa?
Vamos revolucionar, mas por onde começar? Aqui dentro? Aí fora? Aqui em volta ou simplesmente nossa forma de olhar? Existem ângulos diferentes ou o ângulo certo está onde insistimos em não olhar? São felizes os decididos? Ou apenas aparentam ser assim como quando o somos?
Tudo sei, ou nada sei.. a resposta irá nos convencer? E aí chegamos talvez ao cerne da questão: Respostas nos convencem ou o legal é ter sempre o que questionar?
Fiz-te um nó ou as sinceras respostas que você se deu te aquietou ou despertou?....
É isso aí!!

domingo, setembro 17, 2006

About everything...


...Percebi tão somente que primeiramente não se deve tirar conclusões precipitadas a cerca da vida, buscar frases prontas para definir o indefinível mas óbvio e assim achar que experiências de vida significam que já sabemos tudo e assim podemos ter aquele ar prepotente de quem acha que já sabe tudo e assim ter a permissão pra agir com orgulho e auto-denominação de superior ás demais pessoas ao redor e no mundo.
Vivendo num país de terceiro mundo, muitas vezes possuímos condições financeiras equivalentes ás de primeiro mundo, significando assim, mais uma vez uma conquistável superioridade econômica e intelectual desencadeando assim a maior das misérias humana que é a pobreza de espírito quando se acha que chegou ao ápice, ao cume, ao topo do mundo capitalista e intelectual... sem saber que tal pretensão cabe somente aos pobres humanos que acham que obter dinheiro e conhecimento bastam para o diferenciar das demais pessoas, pretensão tal que já caracteriza por si só uma pobreza de alma, uma ganância por algo insignificante diante do real significado e beleza da vida que é o constante buscar, a auto denominação de que nada se sabe quanto mais se conhece e a humildade perante o milagre da vida que é o ser humano e suas vicissitudes.

Quando paro pra pensar em mim, na minha vida e seu significado perante o contexto do mundo tanto atual quanto histórico, penso em duas coisas paralelas e igualmente inversas: uma é que nada sou, sou pequena demais perante tudo isso, talvez apenas mais uma perante a multidão de seres viventes que fazem parte de uma população densa e multicultural;
por outro lado vejo que perante tudo isso sou um ser especial, um ser privilegiado por habitar em um lugar tão bonito, um planeta lindo convivendo assim com os mais variados tipos de pessoas, culturas e etnias que se possa imaginar proporcionando assim uma vasta galeria de opções e diferentes interesses, os quais posso aprender, conhecer e obter assim a oportunidade única de interagir ao máximo com tudo isso e assim poder viver no cerne da palavra, viver com intensidade, com beleza, leveza do ser e humildade pra conviver diante disso tudo e querer poder tirar ao menos uma gota desse planeta água, oceano de emoções e razões que nos motivam a aprender.. e continuar.. e viver, gota tal que me fará retornar ao início da linha de pensamento e concluir dentre as duas opções que sim, sou um ser único, especial e portanto racional, sim, um pouquinho racional, o suficiente para concluir essa singularidade do ser.. apenas ser vivo, ser humano e tudo que isso significa.

O essencial é invisível...


"... a humanidade tem função essencial no universo nas esferas macro-micro do grande roteiro e sua realização no tempo. Está surgindo em nós a intuição da integridade e imortalidade do indivíduo. A percepção é finita, mas o conhecimento é infinito. O cérebro é temporal; a mente eterna. Estar alerta e perceptível é temporal e finito. Compreender e saber são eternos. As criancinhas sabem disso intuitivamente..." Buckminster Fuller

Mais e mais temos lido e ouvido das pessoas que devemos ser seres humanos integrais, completos e no meio da agitação e frenesi do nosso cotidiano mal temos tempo para sermos nós mesmos, em meio a uma sociedade capitalista e interesseira, quanto menos teríamos tempos de nos reformular, parar pra pensar e ver no que podemos melhorar para sermos pessoas melhores, completas e assim integrais.
Contudo, agindo e pensando desta forma já começamos mal, pois mais uma vez concluimos que tudo que é profundo deve levar tempo, tudo que é completo e bonito acaba no final das contas sendo dispensável, superfulo e banal.. mas será que sempre tem que ser assim?
Acredito que o que devemos fazer ao invés de nos preocupar em acarretar mais uma tarefa difícil á nossa listinha de ano novo, deva ser um reformular de olhar, ou seja, um olhar novo, uma nova forma de olhar e encarar a vida e tudo que ela representa e significa...
Quando treinamos nosso olhar, seja ele superficial ou em nuances, acabamos vendo coisas que inicialmente não víamos se não o quiséssemos..
Nosso cérebro é usado para captar informações externas e tranforma-las em algo significativo, contudo, segundo novos estudos, tal captação é feita de percepção, ou seja, nem tudo que vemos percebemos e só captamos aquilo que queremos, seja conciente ou inconciente.. o que significa que se minha mente está treinada para ver nas ruas somente o transito, o calor infernal, os carros buzinando, os camelôs oferecendo suas mercadorias e assim titulamos o dia como infernal, tal dia passará a ter tal característica, comprometendo provavelmente nosso humor no restante do dia.... Contudo se ao invés de focalizar tais eventos, começarmos a ver mesmo diante de tudo isso o sol lindo que faz lá fora, uma banca de flores com um olhar de beleza, o vai e vem das pessoas como seres humanos em potencial, cheios de emoções e fazer de tal observação uma percepção boa do milagre da vida, logo começaremos a treinar nossos olhos, nossa vida, nosso cotidiano e nosso humor para coisas boas, que realmente valem a pena e que por fim só nos fazem bem!
Bom, em síntese, o que estou querendo dizer é que o essencial para estamos e nos sentirmos bem, felizes, capazes e satisfeitos em suma depende somente de nós mesmos e no que queremos enchergar, em como queremos que nosso dia seja e consequentemente como queremos que nossa vida seja.. integral e completa!
Que possamos ver o invisível, pois o essencial é invisível aos olhos não treinados.

segunda-feira, setembro 04, 2006

Felicidade Realista!

..Estava meio sem inspiração, então achei oportuno abrir as cortinas para a criatividade e inspiração de Mário Quintana:

"A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.
E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.!!!
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade.
Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.
Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.
Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.
Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.
Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade."

quinta-feira, agosto 10, 2006

Amor... ás Pessoas!



Quando escrevi este título pensei em dizer amor pelas pessoas, mas aí achei legal colocar ás pessoas, propositalmente para lermos e dar a alusão de separação.. amor e pessoas... E tal alusão é proposital já pra fazer pensar: “Amor e Pessoas estão separados ou andam juntos?” Acho que nem um nem outro, mas o correto seria AMOR PELAS PESSOAS.. o correto a se fazer.
Muitas vezes em nosso cotidiano e na soma das experiências de nossas vidas costumamos usar de generalização, pois assim fica mais fácil tornarmos o desconhecido mais familiar, conhecido e portanto fácil de ser encarado. Sendo assim, devido experiências ruins, costumamos generalizar e rotular que as pessoas não são confiáveis, que todo mundo é igual, que devemos primeiramente desconfiar e depois, se merecido, confiar... Contudo será que agindo e pensando assim não estamos incluindo-nos a nós mesmos neste círculo de desconfiança e descrédito ao ser humano como potencial? Na maioria das vezes também costumamos querer ser reconhecidos como pessoas especiais, extraordinárias e assim incomuns, mesmo sabendo que ninguém encara as pessoas desconhecidas ou recém-conhecidas assim, mesmo sabendo potencialmente que realmente somos o que gostaríamos que as demais pessoas ao nosso redor também fossem..
Bom, estou querendo dizer e chegar ao ponto de afirmar que agimos mal, errônea e precipitadamente ao rotular todas as pessoas como indignas de nossa confiança, ou do nosso amor... Agimos mal ao nos privar de demonstrar quando realmente sentimos afinidade por um desconhecido, quando deixamos passar a oportunidade de dizer que gostamos muito de fulano ou ciclano, seja ele um desconhecido ou um velho amigo, pelo simples fato de “não pegar bem”... Quem foi que disse que demonstrações de amor pelo ser humano em potencial é algo que “não pega bem” ou contra as etiquetas de convivência em sociedade? Quem foi que disse que teríamos que ser como estrelas do mar secas, mortas e esturricadas na areia só pra nos “privar” ou “poupar” de uma futura e possível decepção?
Acredito que como seres humanos especiais que somos e queremos todos ser reconhecidos como tais, não devemos poupar-nos de sentir, viver e demonstrar coisas boas como o amor.. Sim, amor! E então você pode pensar: “Mas amor é uma palavra muito forte pra se dizer pra qualquer um”... sim, concordo.. é forte mesmo.. mas e daí, não podemos sentir algo forte? Será que nos negar a sentir e admitir isso seja por um amigo, irmão ou desconhecido é uma demonstração de fraqueza? E esta sim “não nos cai bem” certo?
Sendo assim, joguemo-nos ao mar do auto-reconhecimento dos próprios sentimentos e sejamos estrelas do mar vivas! Sejamos seres humanos fortes, capazes de possuir sentimentos fortes e dignos de serem vividos em sua plenitude, seja ela recompensada e reconhecida ou não... Sejamos seres humanos que podemos nos bastar, nos garantir para amar o ser humano com a dignidade que o ser humano merece, seja ele conhecedor de tal merecimento ou não... E por fim, sejamos seres humanos fortes, capazes de dar aquilo que tanto almejamos receber: amor! Sim, o amor do reconhecimento, amor do respeito, amor da gratidão.. amor da convivência única de sermos extraordinariamente e simplesmente humanos!

segunda-feira, agosto 07, 2006

Felicidade!!!




Felicidade: s. f. 1. Qualidade ou estado de feliz. 2. Ventura. 3. Bom êxito. (Dicionário Michaelis)....
"Estado de feliz"... parece vago.. mas quem sente ou já sentiu sabe que é tão profundo que realmente não tem como explicar... nem o escritor do dicionário soube..." de quase tudo que importa não se sabe falar".
De qualquer forma, eis o maior anseio humano : Ser feliz!!! e por tal necessidade passamos nossos dias e a vida inteira nos dedicando a tal busca...Busca que culmina em momentos muito felizes os quais nos mantem vivos pra continuar buscando.. e buscando...
Podemos afirmar que somos felizes ou que temos momentos de felicidade? Bom, não sei, mas independente de qual afirmação fizer mais sentido pra você o mais importante é passar por este "estado de feliz" seja uma vez ou várias vezes no decorrer da vida... pois isso é o que traz significado á vida, á existência...
Sendo assim, venho afirmar "sou feliz" ou "estou muito feliz" e graças a Deus posso dizer isso hoje!!!
Aí surge a pergunta: Porquê? o que aconteceu??? Naturais tais perguntas, não é? Mas espera aí.. se é natural perguntar significa que não é natural estar feliz, ou seja, para estar feliz é nescessário um motivo em especial certo? Bom, não quero confundir, mas te fazer entender ou perceber que realmente a vida é feita de momentos felizes e sendo assim, concorda também que se é feita de momentos, nós temos uma parcela significativa de culpa ou participação para que tal momento aconteça???
Com isso quero chegar ao ponto de podemos afirmar que nossa felicidade depende de nós também.. da nossa atitude, da nossa decisão em ser feliz! Com isso, vamos afirmar todos os dias que podemos SIM ser felizes e que carregamos dentro de nós a capacidade de sermos felizes, independente das circunstâncias não serem tão favoravéis a isso!
Concluo assim q sou feliz sim.. tenho motivos sim e vou ser cada dia mais feliz sim.. e porquê?? Porque sim!!! rsrs

segunda-feira, julho 31, 2006

Desejos do Brasil!!!




Nossa.. simplesmente AMEI a idéia e iniciativa do Jornal Nacional em fazer uma expedição rumo ao redescobrimento do Brasil.. claro q desta vez em cima de um "trailer" alado cheio de equipamentos e etc e tal.. contudo esta iniciativa é que deve ser louvada, já que trata-se de uma forma de "cultura" para o povo brasileiro.. já que o Brasil, tão lindo e rico tanto cultural quanto geograficamente deve ser conhecido por nós, seus patriotas, não só por suas belezas naturais, mas também conhecer suas nescessidades e problemas existências...
Hoje, em seu primeiro capítulo, a caravana mostrou o Sul do Brasil.. eu fiquei simplesmente vidrada e maravilhada, já que AMO o sul.. amo aquele friozinho.. amo aquele povo acolhedor, educado.. de cultura européia.. sou suspeita em dizer já que morei em Floripa 1 ano e meio e em Rio do Sul (região de Blumenal) uns 6 meses.. nossa.. foi uma das melhores experiências de minha vida.. muita riqueza cultural, sem mencionar os grandes amigos q deixei lá.. pretendo um dia voltar pra morar de vez.. quem sabe.. rs
Mas voltando ao JN, achei legal mostrarem não só as dificuldades da região, já que geralmente o jornalismo não só televisivo mas em geral prende seus telespectadores pelo horror, crueldade, violência e tragédias ao redor do mundo... Mas desta vez, chega inovando, trazendo informação cultural de qualidade, direto da fonte com conhecimento de causa.. ou seja, do Brasil direto para o Brasil...
O Título da excursão é "Desejos do Brasil".. tô curiosa pra saber qual será a conclusão no fechamento para resumir tais desejos, desconfio e acho que você também, que teremos um desfecho sem muitas novidades nem criatividade, entretanto é super válido mencionar os desejos e nescessidades de um povo e um país que já está cansado de saber do q precisa e o que quer.. mas que não faz muita coisa pra isso acontecer... Contudo, menciona-los mais uma vez é importante, assim reforça as qualidades de tais nescessidades em comum como: educação e paz...
Fiquemos, assim, vidrados nessa aventura de redescobrimento e que assim, o seu, o meu e os nossos desejos sejam realizados!
Lindo.. incrível.. Fantástico.. ou melhor, Jornal Nacional!!

Obs: pra quem quizer acompanhar comentários de bastidores postados pelo Bial, segue link do blog da caravana: http://www.caravanajn.globolog.com.br/

sexta-feira, julho 28, 2006

The Beginning....



Bom.... pra começar, venho falar sobre algo atual pra mim.. ou seja, minha realidade HOJE... trata-se de DECISÃO! então alguns podem se perguntar, mas como assim, decisão no que? Na vida profissional a essa altura do campeonato?? Bom... não estranharia tal questionamento, até porque eu mesma o faço a mim mesma sem problemas... contudo não se trata de uma dúvida assim, existêncial, e sim decisões que muitas vezes precisamos tomar e que com certeza afetarão nossas vidas significativamente e logo nos vem aquela sensação de medo ou insegurança, já que toda decisão de significativa mudança nos traz medo pelo fato de termos de sair da nossa zona de conforto e naturalmente toda novidade assusta...
Bem, mas e então, decidir ou não, eis a questão... ai.. o que fazer? o que será melhor pra mim hoje? e quanto ao meu futuro??? Não preciso mencionar qual seria tal decisão, mas o que quero abordar aqui é a questão da decisão, ou melhor da indesição que nos acomete quase sempre em nossas vidas... Mas de qualquer forma, só o fato de estar nessa indecisão já me deixa feliz, já que a rotina me incomoda profundamente.. rs
De qualquer forma, seja você ou eu o "agente da mudança" acho super importante frizar que qualquer tipo de forma de racionalização da própria vida e seu significado ativo já é de profunda importância, já que toda forma de auto reflexão é saudável e indicado.. Pois muitas vezes passamos dias e anos sem ao menos fazer uma alto análise, uma reflexão do que realmente queremos em conflito do que estamos sendo.. e com isso muitas vezes não percebemos que passamos nossos dias e nossa própria vida á deriva.. á mercê dos ventos q nos empurram sem direção definida..
Concluindo.. ainda não me decidi.. rs, Contudo, como mencionado acima, fico feliz por tal ebulição, já que cada decisão nova é um recomeço.. um começo de algo novo.. assim como este blog.. um "Beginning...happy beginning!"

e como diria o sábio Bob Marley:

"É melhor atirar-se à luta em busca de dias melhores, mesmo correndo o risco de perder tudo, do que permanecer estático, como os pobres de espírito, que não lutam, mas também não vencem, que não conhecem a dor da derrota, nem a glória de ressurgir dos escombros.Esses pobres de espírito, ao final de sua jornada na Terra não agradecem a Jah por terem vivido, mas desculpam-se perante Ele, por terem apenas passado pela vida."