quarta-feira, dezembro 30, 2009

Receita de Ano Novo

Não tenho nem o que acrescentar.. faço minhas novamente as palavras do Drummond:



Receita de ano novo
(Carlos Drummond de Andrade)

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido).
Para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; Novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Para todos vocês, um ótimo ano de 2010, com muitas conquistas e realizações!

terça-feira, dezembro 22, 2009

Desejo!


ADORO esta época do ano.. verão, clima natalino, família, manjedora, lembrança do menino Jesus, presentes, fogos, desejos de coisas boas, para si e para os outros... maravilha!!
E no meio desses desejos, costumo dizer uma frase do Bial: "Saúde e Paz, o resto a gente corre atrás!" e é bem isso, só peço saúde e paz, pra mim, minha família, amigos, e para todos, pro mundo! O resto a gente corre atrás!
Mas mesmo assim, há pequenos prazeres, pequenos detalhes que nos fazem tão bem, não custam nada e fazem toda diferença em nossas vidas e inspirado nisso nosso célebre Carlos Drummond de Andrade escreveu o poema "Desejo" e como também amo esse poema, dedido e desejo ele todo para cada um de vocês!


"Desejo a você,
fruto do mato,
cheiro de jardim,
namoro no portão,
domingo sem chuva,
segunda sem mau humor,
sábado com seu amor,
filme do Carlitos,
chope com amigos,
crônica de Rubem Braga,
viver sem inimigos,
filme antigo na TV,
ter uma pessoa especial,
e que ela goste de você,
música de Tom com letra de Chico,
frango caipira em pensão do interior,
ouvir uma palavra amável,
ter uma surpresa agradável,
ver a banda passar,
noite de lua cheia,
rever uma velha amizade,
ter fé em Deus,
não ter que ouvir a palavra "não",
nem nunca, nem jamais adeus.
Rir como criança,
ouvir canto de passarinho,
sarar de resfriado,
escrever um poema de amor
que nunca será rasgado,
formar um par ideal,
tomar banho de cachoeira,
pegar um bronzeado legal,
aprender uma nova canção,
esperar alguém na estação,
queijo com goiabada,
pôr-do-sol na roça,
uma festa,
um violão,
uma seresta,
recordar um amor antigo,
ter um ombro sempre amigo,
bater palmas de alegria,
uma tarde amena,
calçar um velho chinelo,
sentar numa velha poltrona,
ouvir a chuva no telhado,
vinho branco,
bolero de Ravel...
e muito carinho meu
!"
Feliz Natal e ótimo Ano Novo!!

domingo, dezembro 13, 2009

Sem medo de ser feliz!

Quando todos seus piores medos e pesadelos se tornam realidade, não se tem vergonha e medo de mais nada!!


Formulei a frase acima refletindo em tanta coisa.. experiências, constatações, histórias etc..
Somos seres tão medrosos. Nossos sistema nervoso inteligente foi criado para termos medo como forma de defesa, proteção, preservação da vida e espécie, mas usamos essa"forcinha física" de desculpa para nos apegar a medos maiores e de medo em medo muitas vezes travamos nossa vida e deixamos de viver e ter experiências ótimas pelo simples fato de ter medo de viver!
Ninguém está imune a isso e ter medo, principalmente quando já se teve uma experiência ruim que não se quer repeti-lá é até inteligente, mas até que ponto proterger-se com o medo é uma forma inteligente e saudável de se viver? Será que valerá a pena viver, sei lá, até os 80 anos, com toda proteção e de medo em medo até chegar ao final da vida sem ter sofrido mal algum, sem repetir medos ou ter que enfretá-los mas ao mesmo tempo sem ter tido coragem de viver a vida com intensidade?

Já tive muito medo de muita coisa, mas mesmo assim já tive que enfrentar tantas situações que não pude evitar, controlar e conter e quando no ápice da dor percebe-se que o pior de tudo, aquele medo que não se tem coragem nem de dizer em voz alta se torna realidade e acha-se que vai morrer.. pronto.. passa! Sim, experiências..o medo antecede a dor, mas quando é impossível evitá-la, a dor passa e o medo também e o que resta é a reflexão mas também a certeza de que não se morre disso! Ninguém nunca morreu de medo como tantas vezes afirmamos esta frase mas de forma figurativa... e se o medo é uma forma de no final das contas nos proteger da morte mas esta não acontece, pronto, pra quê continuar a ter medo? ou vergonha? e não são só medos de sofrimentos físicos, medo de altura, medo de insetos, animais etc, mas medo também da solidão, da traição, de perder um amor, do constrangimento ou exposição social, de se fazer o que se gosta mas que todos condenam... de seguir o próprio coração de forma irracional... em fim.. medo cada um tem o seu! na proporção que lhe apetece..mas é medo!

Quanto á mim, não tenho medo de mais nada!!!

domingo, dezembro 06, 2009

Abrir os olhos e enxergar!


"Abri os olhos, não consigo mais fechar..." Ouvindo esta música da Sandy (sim, eu adoro a Sandy e estou ansiosíssima pelo novo album dela, mas este é outro assunto, rs) fiquei refletindo sobre várias coisas e quando páro pra refletir o pensamento voa longe, viaja, voa nas asas da imaginação e criatividade sem fim... é tão bom mas será que é bom mesmo? Até que ponto é bom abrir os olhos e enxergar as coisas e a vida como realmente ela é e encarar a realidade de que nem tudo é como sonhavámos, que os planos que um dia fizemos nem sempre são tão fáceis de se alcançar e questionar verdades absolutas que ao se questionar passa-se a encara-las como verdades relativas, subjetivas... reflexões inconclusivas!
Um grande amigo postou em seu blog que acompanho e recomendo (Identidade Pos-moderna) um post que abordava até que ponto é bom saber toda a verdade, pois esta nos liberta ou nos escraviza? saber de tudo é bom ou enxergar a vida usando óculos cor de rosa é + saudável mesmo não sendo a realidade e sim uma alienação? O fato é que sou e sempre fui do tipo que ainda prefiro saber de toda verdade, sinceridade sempre, verdade e clareza em primeiro lugar e meu eterno questionar sempre me fez enxergar até "o que eu não quero enxergar", ver e antecipar ações e reações antes mesmo das pessoas terem consciência disto. É legal ser assim? nem sempre! As vezes machuca enxergar certas coisas, decepcionar-se com pessoas, descobrir mentiras etc, mas por outro lado também faz bem, ninguém nos engana, nos passa pra trás e se isso acontece é só quando permitimos que assim seja e não por ignorância. Acho que maturidade é isso! Seria legal voltar a ser criança e agir inconsequêntemente? sim, seria e era super legal ser criança, mas a vida não pára e sem termos opção de escolha crescemos, hoje somos adultos e nesta altura da vida cabe a cada um de nós ter coragem e encarar a vida de frente e amadurecer com ela ou prender-se a inconsequências infantis pro resto da vida pois cada um de nós temos sim esta escolha que é o livre arbítrio, contudo as consequências vem, querendo-as ou não.
Quanto á mim, tenho coragem e peito suficiente pra amadurecer e encarar a vida com esta visão e as consequências que isso trás! Sim, abri os olhos e não consigo mais fechar!! E sou muito feliz e satisfeita comigo mesma sendo assim!
"Sei mais do que eu quis
Mais do que sou
E sei do que sei
Só não sei viver
Sem querer ser
Mais do que sou
O fato é o ato da procura
E a cura não resiste só
O que era certo eu descobri
Nem sempre era o melhor
Abri os olhos
Não consigo mais fechar
Assisto em silêncio
Até o que eu não quero enxergar
Não sei afastar
A dor de saber
Que o saber não há
Só não sei dizer
Se esse meu ver
Se pode explicar
Enquanto eu penso, tanto entendo
Que é mais fácil não pensar
O que era certo, eu aprendi
A sempre questionar..."


http://www.youtube.com/watch?v=1YlJsJlJ3cc

terça-feira, dezembro 01, 2009

Terças-Feiras e Pé de Couve



Uma das maiores especialidades das mulheres é conversar sobre suas experiências de vida entre si, entre amigas é uma constância infinita e entre amigas que passam pela mesma situação então? sai de baixo, senta que lá vem história.. é muita risada, desabafo, confidências, revezamento de ombro 24x7 e muita paciência e amor...
Em um desses momentos de "catarse" (expressão Freudiana para desabafo) surgiu à pérola: "Puxa, ele simplesmente ignorou minha existência, como se eu fosse um pé de couve!"... hahahaha..Pois é.. bem isso mesmo, não há explicação para o fato de duas pessoas que passaram várias experiências juntos, vários anos juntos e der repente, após o fim de uma relação, um dos dois simplesmente desaparece, não quer saber se o outro está vivo, morto, doente, rico.. nada! como se fosse um ser inanimado, com a indiferença destinada á um "pé de couve" por exemplo! rs
Outra pérola foi a de uma de nós contar que está carente hoje, sei lá por que...após aquele silêncio reflexivo e empático, outra fez a seguinte observação: "Isso acontece com você toda terça-feira!"... hahahaha... Após ligar os pontinhos, fatos aos casos, não é que era verdade! Todas as vezes que bateu aquela carência e ela se sentiu assim, ou assado, fez isso ou aquilo coincidência ou não era terça feira! (Freud deve explicar isso também) rs.
O Fato é que mesmo dando tom de piada aos papos femininos a cerca de seus relacionamentos e suas peripécias, a suma é que carência é comum não só no universo ou conversas femininas mas em todo ser humano que sente, chora, ri e ama e como fruto disso tudo decepções e realizações são comuns e conversas desse tom também, tão comuns e rotineiras como os dias da semana e seus respectivos legumes! rs

Amigos para saber quem eu sou

Já havia lido em algum lugar.. a um bom tempo atrás.. mas hoje li novamente em um testemunhal de uma amiga e me lembrei o quanto diz tudo!!
Adorei.. e lá vai.. Especialmente para meus amigos e leitores do "essence":

"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Tenho amigos para saber quem eu sou. "