sexta-feira, março 19, 2010

Se não sigo acreditando...

Acreditar e parecer ingênua ou ser realista e tornar-me dura? Acreditar em sonhos, fantasias, bondade, ilusão... tudo isso me parece lindo, afaga meu coração, me deixa leve, tranquila e torna meus dias melhores e felizes de se viver, Contudo viver no mundo da fantasia pode tornar-me alienada e quando se sonha demais e se sobe às nuvens, o tombo da realidade pode doer bastante, contudo viver com a cabeça nas nuvens e os pés no chão é tão surreal porém necessário quanto é o equilibrio desejado por todos nós.
Entre sonhar e acordar, acho que dormir com um olho aberto é a receita e se for pra sonhar, qual o problema? faz bem e não custa nada! ;)
"Eu não vivo nesse mundo
Eu não tenho os pés no chão
Vou daqui pra lá voando
Me alimento de ilusão
Acredito em cada sonho
Isso é o que me faz viver
Se não sigo acreditando
Nunca que virá a ser
Realidade Para ter paz
É preciso fé em Deus, muita saúde
E um pouco de amor a quem lhe quer bem
O resto vem
Devagar
Não convém
Dar a cara para bater
Dizer que não valeu
Se tudo está pra acontecer
Cumpre o teu papel de estrela
Minha estrela de papel
Deve ter valido a pena
Ter improvisado um céu
Realiza o meu desejo, presente
Que o tempo não deu pra mim
Faça com que se arrebente
Minha fita do Bonfim..."
Música linda de Pedro Mariano.

segunda-feira, março 15, 2010

Menina



Sempre adorei ser menina!
Aquela época em que nada era demasiado difícil e quando o era tinha uma mulher-maravilha pra me estender a mão e me ajudar a resolver meus problemas, mesmo quando este era um menino chato que sentava atrás de mim na escola e adorava puxar meu cabelo.
Saudades dos meus 9 anos de idade quando não me preocupava em ganhar dinheiro, pagar as contas, comer menos, contar calorias, usar creme anti-idade, ser eficiente no trabalho e quando eu tinha vontade de chorar, chorava sem cerimônia ou vergonha da minha fragilidade feminina.
Ai que saudades da época em que minha única preocupação era ir bem na escola, tirar notas boas e ser uma boa garota.
Saudades das brincadeiras da infância, de pular elástico na rua com as amigas, brincar de boneca e todas as outras brincadeiras da época.
Saudades de usar vestido cor de rosa sem correr o risco de parecer ridícula por isso.
Saudades da época em que usar batom pra ir pra escola era rebeldia e salto alto uma evolução e sinal de independência.
Como era bom ser menina! Aquela leveza e fragilidade adiquirida apenas pelo fato de ser uma menina, podia brincar com os meninos, correr, pular mas se eu caisse podia chorar, afinal sou menina!
Saudades de quando eu podia sorrir com facilidade, leveza e simplicidade!
Sempre adorei ser menina!
Ai que saudades de ser menina!

sexta-feira, março 12, 2010

De Intensidade e ar



"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos, um filme mais ou menos ,um livro mais ou menos.
Tudo perda de tempo.
Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoraçao ou seu desprezo.
O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia
." Marta Medeiros

"Sou composta por urgências: minhas alegrias são intensas, minhas tristezas, absolutas. Me entupo de ausências, me esvazio de excessos. Eu não caibo no estreito, eu só vivo nos extremos. Eu caminho, desequilibrada, em cima de uma linha tênue entre a lucidez e a loucura. De ter amigos eu gosto porque preciso de ajuda pra sentir, embora quem se relacione comigo saiba que é por conta-própria e auto-risco. O que tenho de mais obscuro, é o que me ilumina. E a minha lucidez é que é perigosa (como dizia Clarice Lispector). Se eu pudesse me resumir, diria que sou irremediável!"M. Queiroz

"Sou dramática, intensa, transitória e tenho uma alegria em mim que quase me deixa exausta. Eu sei sorrir com os olhos e gargalhar com o corpo todo. Eu sei chorar toda encolhida abraçando as pernas. Por isso, não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha a mim com corpo, alma, vísceras, tripas e falta de ar.... Eu acredito é em suspiros, mãos massageando o peito ofegante de saudades intermináveis, em alegrias explosivas, em olhares faiscantes, em sorrisos com os olhos, em abraços que trazem pra vida da gente. Acredito em coisas sinceramente compartilhadas. Em gente que fala tocando no outro, de alguma forma, no toque mesmo, na voz, ou no conteúdo. Eu acredito em profundidades. E tenho medo de altura, mas não evito meus abismos. São eles que me dão a dimensão do que sou." M. de Queiroz

"Sou o que se chama de pessoa impulsiva. Como descrever? Acho que assim: vem-me uma idéia ou um sentimento e eu, em vez de refletir sobre o que me veio, ajo quase que imediatamente. O resultado tem sido meio a meio: às vezes acontece que agi sob uma intuição dessas que não falham, às vezes erro completamente, o que prova que não se tratava de intuição, mas de simples infantilidade.
Trata-se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos. E até que ponto posso controlá-los. [...] Deverei continuar a acertar e a errar, aceitando os resultados resignadamente? Ou devo lutar e tornar-me uma pessoa mais adulta? E também tenho medo de tornar-me adulta demais: eu perderia um dos prazeres do que é um jogo infantil, do que tantas vezes é uma alegria pura. Vou pensar no assunto. E certamente o resultado ainda virá sob a forma de um impulso. Não sou madura bastante ainda. Ou nunca serei
." Clarice Lispector

"Não se trata do tamanho do desafio, se trata do seu tamanho. Ou você é uma pessoa que se deixa deter ou é uma pessoa que não se deixa deter. A escolha é sua. Pensamentos conduzem a sentimentos, sentimentos conduzem a ações e ações conduzem a resultados. "Aquilo que se focaliza se expande." Focalize o amor, a paz, a abundância. Nossa hora de ser feliz é agora!" Elenita Rodrigues

"A fúria de uma mulher rejeitada pode tomar as formas mais diversas: dedicação, controle, masoquismo, raiva, vingança, obsessão, santidade. Talvez essa tal fúria contenha, ao mesmo tempo, todos os bizarros ingredientes." Stella Florence

Apenas alguns fraguimentos de autoras que simplesmente ADORO! Copiei porque me junto em coro à elas!

Vale a Pena Viver?



Vale a pena Viver? Se questiona um suicida que a tempos tem feito milhares de questionamentos sem resposta.. questões sobre o universo, sobre as pessoas, sobre as injustiças, sobre a vida! Inquieta-se com questões sociais, globais e morais, mas questiona-se principalmente com questões pessoais! Porque fez as escolhas que o levaram a tais conseqüências? Porque não conseguiu prever e anteceder os fatos, ter visão, ser mais esperto? Porque algumas vezes foi tão relapso consigo mesmo, foi inconseqüente e imaturo? Porque não escolheu o mais difícil ao invés do mais fácil? Resposta simples: porque o mais fácil é mais fácil! Mas porque viver tem que ser fácil? porque a dificuldade nos repulsa, nos cansa, nos assusta? Porque tudo tem que ser tão difícil?
Queria ele ter o prazer de viver de prazer! De facilidades, comodidades e prosperidade! Queria ter as respostas para as questões que lhe atormentam e mais que isso, não precisar ter que fazê-las! Queria o sol, mar, sombra e água fresca da vida, das conquistas, da realização dos sonhos e utopias alcançadas! Queria ser feliz!
Com o vislumbre do pôr-do-sol da vista de cima de um arranha céu o suicida reflete sobre tudo e nada, aprofunda-se e fica á margem do desespero, da dor, da solidão e ouve com a clareza que nunca tivera antes o som da sua própria consciência, o som do seu coração, o som quase palpável da sua dor e só consegue enxergar diante de si a solução dos seus problemas e questionamentos dando fim a todas elas e por conseqüência fim á sua própria vida e faz o último questionamento e o mais importante de todos: Vale a Pena viver? e de repente passa um filme em sua memória de toda sua vida, sua história e trajetória que o trouxe até aqui e lembrou-se daquela vez na sua infância quando levou o primeiro tombo de bicicleta e sua mãe veio lhe oferecer carinho, atenção e um sopro curador na ferida que só as mães tem e lembrou-se o quão importante e amado ele é por sua mãe que sempre lhe ofereceu compreensão e amor incondicional. Lembrou-se também daquele passeio de carro com seu pai e das músicas antigas que sempre que as ouvia lhe remetiam àquela tarde ensolarada e os papos que tinha com seu pai e pode reconhecer que pelas mesmas angustias e dores seu pai também passou mas hoje é um vitorioso e teve orgulho de ser seu filho! Lembrou-se de todas as desventuras em série de sua adolescência e seus amigos, suas proezas, aventuras amorosas, noites de diversão e dias de completa letargia e satisfação... lembrou-se dos livros que leu, filmes que viu, músicas que ouviu, dançou até cair, mulheres que beijou, amou... e o amor! Ah, o amor como é bom amar e ser amado! e aos poucos de lembrança em lembrança sua tristeza foi diminuindo, sua angustia aliviando e o sol finalmente se pôs no horizonte e também no seu coração, o poente e quietude dos questionamentos e com a noite veio as respostas, não todas, mas quem sabe a que daria estopim para o despertar das outras e pode então finalmente perceber que ter respostas não significa encontrar a felicidade e ter felicidade não significa ter tudo ou encontrar o sentido da vida mas que ter vida é o que dá sentido a todo o resto! Ter vida é ser esse poço de questionamentos, ilusões, sonhos, decepções, frustrações, conquistas e tantas e tantas outras coisas e outros sentimentos que só se pode ter se tiver coragem de viver e provar tudo isso e morrer pode sim trazer fim ás coisas ruins mas põe fim também nas coisas boas vividas e principalmente fim ás coisas boas que ainda estão por viver! Viver!!!
Desceu do prédio, desceu do pedestal do dono de sua vida e dono de sua morte também e subiu no trem que não tem destino certo, não tem parada obrigatória, não tem respostas concretas e segue rumo á surpresa, ao incerto e por ser assim desafiador, instigador, empolgante... Escolheu subir no trem da vida e seguir seu caminho que não promete felicidade plena mas garante a constante busca por ela!
Primeira resposta: Vale Sim! ... Já é um começo...
Segunda pergunta: Um abraço pode salvar uma vida?
Talvez não.. mas traz uma sensação de bem-estar imenso... um dos prazeres de viver!
FREE HUGS! Abraço de graça... que não tem preço!

segunda-feira, março 08, 2010

Nem vejo a hora...


Nem vejo a hora de ganhar minha primeira barbie...
Nem vejo a hora de chegar meu primeiro dia de aula...
Nem vejo a hora da minha unha crescer para poder pintar...
Nem vejo a hora do meu cabelo crescer e poder fazer um penteado legal...
Nem vejo a hora dos meus pés crescerem para poder usar o salto da minha mãe...
Nem vejo a hora de poder comprar meu primeiro sutiã...
Nem vejo a hora de ficar mocinha como minhas amigas...
Nem vejo a hora da minha festa de 15 anos...
Nem vejo a hora do meu primeiro beijo...
Nem vejo a hora de chegar em casa para escrever os acontecimentos do dia no meu diário...
Nem vejo a hora de terminar meu primeiro livro de romance...
Nem vejo a hora de viajar sozinha com meus amigos...
Nem vejo a hora de fazer 18 anos...
Nem vejo a hora de poder dirigir...
Nem vejo a hora de começar a faculdade...
Nem vejo a hora de conhecer alguém legal e me apaixonar...
Nem vejo a hora dessa dor de amor passar...
Nem vejo a hora de escolher meu vestido de formatura...
Nem vejo a hora dele decidir me assumir como sua "namorada"...
Nem vejo a hora da minha grande festa de formatura...
Nem vejo a hora de ganhar um anel com pedido de casamento...
Nem vejo a hora de ser realizada e reconhecida profissionalmente...
Nem vejo a hora de ser levada ao altar pelo meu pai...
Nem vejo a hora dele dizer "sim"...
Nem vejo a hora de entrar na minha casa com minha cara...
Nem vejo a hora de pegar o resultado e ler "positivo"...
Nem vejo a hora de olhar pra carinha do meu filho...
Nem vejo a hora de levar meus dois homens da casa (marido e filho) pro lançamento do meu livro...
Nem vejo a hora de levar meu filho para seu primeiro dia de aula...
Nem vejo a hora de conseguir conciliar tanta coisa...
Nem vejo a hora de conhecer a primeira namoradinha do meu filho...
Nem vejo a hora de ir na festa de homenagem do meu marido...
Nem vejo a hora de ser avó...
Nem vejo a hora ...tenho tanta coisa pra realizar!!
Como é marvilhoso ser mulher!

E em homenagem á todas nós meninas mulheres segue um vídeo que é de uma campanha publicitária mas que me agradou muito.
Porque toda mulher é linda exatamente como ela é!



FELIZ DIA INTERNACIONAL DA MULHER!!

quarta-feira, março 03, 2010

Rethink



"Hoje é o dia! Você está vivendo sua vida? com paixão, convicção e pura alegria? E o amor? você o tem buscado? Você acredita e mergulha nele? AGORA, tome tempo para respirar e admirar, sentir e repensar sua vida. seus sonhos. você."